Casal fatura vendendo roupa infantil por quilo Casal fatura vendendo roupa infantil por quilo

Depois de ter três filhos e perceber que o gasto com roupas para eles era alto, o casal Aline, 28, e David Buosi, 32, resolveu investir no setor. Abriu a KG Moda Infantil por Kilo, em 2014, e passou a vender roupas infantis por quilo.

“Trabalhávamos com a revenda de carros batidos. Comprávamos em leilões, reformávamos e vendíamos. O setor deixou de ser atrativo e, com a chegada de nossos filhos, vimos uma oportunidade na área de vestuário. Só que queríamos agregar um diferencial, por isso optamos pela venda por quilo”, diz a empresária.

Aline afirma que conhecia outras lojas que vendiam roupa por quilo. No entanto, a maioria, segundo ela, estava localizada no interior do Estado de São Paulo. Por isso resolveu investir nesta forma de comercialização.

Casal fatura vendendo roupa infantil por quilo Casal fatura vendendo roupa infantil por quilo

Atualmente, a empresa tem três lojas, duas na capital paulista e uma em Osasco (região metropolitana de São Paulo). No ano passado, a rede faturou R$ 2,67 milhões e, segundo a empresária, 40%, ou seja, R$ 1,06 milhão desse total, foi o lucro do negócio.

Para 2016, ela espera um crescimento de 20% no faturamento.

Quilo da roupa custa de R$ 209,90 a R$ 229,90
O quilo da roupa básica, de algodão e outros tecidos mais simples para usar no dia a dia, custa R$ 209,90 e o da roupa premium, para usar em festas e passeios, com renda, bordado e aplicações, sai por R$ 229,90.

Quando o cliente compra mais do que um quilo de roupa, ele ganha 20% de desconto, segundo a empresária.

As lojas da rede vendem peças das marcas Elian, Malwee, Brandili, Trick Nick e Romitex. A numeração vai de recém-nascidos ao 18 (infantojuvenil).

Cálculo deve considerar peso e qualidade das roupas
Segundo Cássio Ferraro, consultor de marketing do Sebrae-SP (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo), a empresa que trabalha com a venda de roupa por quilo deve ser bem criteriosa no cálculo do preço.

“As peças que pesam mais geram mais lucro porque é preciso ter menos unidades para chegar a um quilo. No entanto, ela pode perder dinheiro com as mais leves, que exigem quantidade.”

Para ele, é preciso oferecer um mix de produtos que equilibre a compra. “Se o cliente selecionar somente roupas de marca, consequentemente mais caras, e leves, a empresa pode ter prejuízo. Por isso o ideal é que a venda contemple os dois tipos de peça, ou seja, leves e pesadas, caras e baratas.”

Fonte: UOL

Casal fatura vendendo roupa infantil por quilo
Votos