Se inovação é a palavra do momento, integração é a base para o seu uso

As comodidades promovidas pela tecnologia vêm impactando todos os setores e, evidentemente, no varejo não seria diferente. A cada dia o consumidor fica mais exigente e anseia por atendimento, serviços e conteúdo personalizados, resultando em uma melhor experiência de compra.

Enquanto a tendência omini channel obriga o setor de varejo a inovar para satisfazer os novos desejos do consumidor, mesclando a gestão da loja física com os canais online a fim de que o cliente possa utilizar os serviços de ambos da maneira que preferir, a Internet das Coisas (IoT) promete revolucionar ainda mais este universo, gerando novas oportunidades e uma imensa cadeia de serviços.

Uma vez que o varejo cada vez mais está focado no relacionamento com os consumidores do que apenas a venda de produtos, a IoT permite estabelecer este novo fluxo, focando na personalização. A tendência é que tudo seja conectado e interativo, com potencial para a oferta de serviços e em tempo real, tornando-se um canal muito importante para comunicação com os clientes.

Os beacons (pequenos objetivos interativos para enviar mensagens) são exemplos do que este futuro tão próximo pode representar para o varejo e já são bastante utilizados na Europa e Estados Unidos para enviar cupons de desconto, mensagens de boas-vindas, informações sobre os produtos, entre outros. Com o seu desenvolvimento, a IoT permitirá a existência de um ecossistema ao redor de cada produto, tornando a experiência do consumidor cada vez mais interessante e interativa, o que certamente influenciará positivamente na conversão de vendas.

Mas, se por um lado a IoT oferece uma gama de oportunidades para o varejo em geral, por outro traz uma série de desafios seja para lojas físicas ou online. Ao ter mais canais ou coisas conectados e disponíveis para serviços e vendas de produtos, será necessária uma gestão ainda mais segura e eficiente. Neste sentido, o impacto também será grande na cadeia de meios de pagamento, já que estes também deverão ser integrados a estes novos objetos conectados, além de que, possivelmente, surgirão outras formas de pagamento ao longo desta trajetória.

Soluções de conciliação serão totalmente essenciais para atender a essa complexidade para que os lojistas não se percam no caminho e, ao mesmo tempo, sigam as tendências exigidas pelo consumidor.

O comportamento dos compradores continuará a ser guiado pelas facilidades que o universo cibernético oferece, não há retorno para este movimento. Seguir de perto estas tendências é fundamental para o sucesso dos negócios. E, se inovação é a palavra do momento, integração é a base para o seu uso.
Fonte: Terra