Rede de franquia de passar roupa rende até R$ 3 mil por mês

Rede de franquia de passar roupa rende até R$ 3 mil por mês

Rede de franquia de passar roupa rende até R$ 3 mil por mês

Com mais de 60 unidades pelo Brasil, a rede Mania de Passar tem o ímpeto de transformar a atividade de passar roupa em uma fonte de renda. Com investimento inicial de R$ 15 mil, os franqueados aprenden a ser passadores profissionais, além de técnicas para manter a clientela. O lucro médio pode passar dos R$ 3 mil mensais.

A maioria dos franqueados da Mania de Passar são homens. Muitos nem sabiam passar passar roupa antes de abrir o negócio. “O homem às vezes nem repara na questão de passar roupa. Mas os que tiveram esta dificuldade, foram buscar este serviço na região e não tinha, começam a ver isso como uma oportunidade de negócio“, explica Claudio Augusto, fundador da rede.

Ele próprio passou por esse aprendizado. Quando saiu da casa dos pais percebeu que não sabia passar roupa. Levar na lavanderia era muito caro. Contratar uma diarista, difícil. “Passei a olhar para essa necessidade pessoal como uma oportunidade de negócio”. Dois anos depois, pediu demissão e criou a Mania de Passar.
A franquia opera no modelo “home based”. O franqueado trabalha em casa e presta serviço nas proximidades. Os clientes contratam pacotes mensais, que variam entre 15 e 40 peças por semana.

Os R$ 15 mil iniciais incluem taxa de franquia (que dá direito a um contrato de cinco anos), treinamento e insumos iniciais. A capacitação é feita na sede da empresa, em São Paulo. Ali, os franqueados aprendem a passar roupa “do zero”: de identificar os diferentes tipos de tecido, até passar camisa social, dobrar lençol de elástico e embalar para entrega.

No módulo ergonomia há ensinamentos sobre postura correta, altura ideal da mesa, alongamentos e aquecimentos necessários durante uma jornada de trabalho passando roupa. O treinamento dura dois dias, e o franqueado sai de lá com todos os insumos: ferro, tábua, “bags” (sacos que os clientes utilizam para depositar as roupas), ombreiras (“saquinhos” para camisa social”), presilha para prender a manga das camisas e material de divulgação.

“Pagar” para passar

É verdade que o negócio de passar roupa não é exatamente novo. Claudio reconhece que já ouviu questionamentos de pessoas que não viam necessidade de comprar uma franquia. Já que é uma atividade que poderia ser feita por conta própria.

“Já teve gente que me ligou e disse: ‘eu vou pagar para vocês para eu passar roupa?’. Eu digo que se você já sabe passar, tem uma carteira de clientes que te pagam com recorrência, insumos, marketing… se você tem isso tudo, então pode fazer por conta.”

Rede de franquia de passar roupa rende até R$ 3 mil por mês

Raio de atuação

Para garantir uma operação enxuta e barata, a Mania de Passar opera com um raio de atuação. Isto porque o serviço inclui o “leva e traz” das roupas, e buscar roupas na cidade inteira seria caro e demorado. Cada franqueado cobre uma área de cerca de 1,5 quilômetro no entorno da sua residência.

Os clientes contratam planos trimestrais e fazem o pagamento uma vez por mês. Já o serviço é prestado semanalmente. Camisas e lençóis não podem exceder 30% do total de peças do pacote.

A Mania de Passar estima que um franqueado tire entre R$ 2.250 e R$ 3.150 por mês, de lucro. O valor é relativo a uma unidade que tenha entre 24 e 28 contratos, excetuados os gastos: energia elétrica (cerca de R$ 200), logística (leva e traz) e insumos (saquinhos e presilhas).

Enquanto a maior parte dos franqueados da Mania é de homens; entre os clientes, a maioria é de mulheres. Mas uma curiosidade: em geral as roupas são masculinas.

A rede conta atualmente com 68 unidades comercializadas (sendo 58 já em operação). A maior parte no estado de São Paulo. Há uma unidade em Curitiba, no bairro Água Verde. A marca também está presente na Bahia, Maranhão, Minas Gerais, Distrito Federal e Rio de Janeiro. A meta é fechar este ano com 120 unidades, e faturamento na casa de R$ 1 milhão.

Fonte: Gazeta do Povo

Rede de franquia de passar roupa rende até R$ 3 mil por mês
Votos